Quando falamos sobre carreira no mercado financeiro, costumamos citar duas possibilidades: os bancos e as corretoras. Quem está por dentro do setor sabe exatamente quais são os pontos de divergência entre as duas modalidades, mas para quem está começando agora isso pode soar um pouco confuso.

Quer entender quais são as principais diferenças entre bancos e corretoras? Explicaremos tudo a seguir!

PARA QUE SERVE O BANCO?

Sem dúvidas, o banco é a instituição financeira mais tradicional do mundo. Prova disso é que todos nós precisamos dele para receber o salário e pagar os boletos que teimam em chegar. Justamente por isso, a maior parte das pessoas acaba centralizando a sua vida financeira por lá e esquecendo que existem outras opções. 

A lógica do banco é simples: ele oferece uma remuneração, chamada de juros, para que as pessoas deixem o dinheiro aplicado e, assim, pode emprestar esse mesmo dinheiro para outras pessoas com juros maiores.

Nesse sentido, trabalha com uma grande variedade de produtos, como aplicações, fundos de investimentos, consórcios, financiamentos, seguros, crédito, etc. Ao longo da nossa vida poderemos recorrer a essa instituição muitas vezes. 

PARA QUE SERVE A CORRETORA?

A grande diferença entre o banco e a corretora é o posicionamento que assumem. Enquanto os bancos têm um grande leque de produtos próprios, as corretoras focam no investimento. Assim, o melhor caminho para quem quer comprar ações na Bolsa de Valores é abrindo conta numa corretora. 

Um ponto interessante é que a corretora não fica com o dinheiro do cliente para emprestá-lo a outras pessoas. Seu trabalho é fazer o meio de campo entre o investidor e a instituição onde ele colocará o dinheiro. 

Isso também permite que a gama de possibilidades seja maior, já que a corretora pode trabalhar com muito mais alternativas de investimentos do que um banco, tal como um “shopping center financeiro”.

Mas então como a corretora ganha dinheiro? As taxas de corretagem são responsáveis por remunerar o trabalho desta intermediária. Isso ocorre, por exemplo, a cada compra ou venda de ações na Bolsa de Valores.

BANCO OU CORRETORA: QUAL ESCOLHER?

Depois de conhecer as especificidades dos bancos e das corretoras, você pode estar se perguntando qual é melhor, não é mesmo? Sob o ponto de vista dos clientes, não existe uma alternativa melhor ou pior. Como bancos e corretoras oferecem serviços distintos, podem ser escolhidos simultaneamente pelos clientes. Ou seja, é possível deixar uma parte do patrimônio no banco e outra parte na corretora. 

Já sob o ponto de vista de alguém que quer construir uma carreira no setor de investimentos, a resposta é: depende. A decisão varia de acordo com o perfil do profissional, com o tipo de serviços que ele se identifica e assim por diante. Inclusive, vale destacar que as certificações necessárias para trabalhar em bancos ou corretoras são diferentes - mas isso é assunto para outro momento.

Gostou de saber? Se você quer entender mais sobre o tema, clique aqui e veja um vídeo super esclarecedor do Rafael Toro. Vale a pena! 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.