Recentemente, a Anbima divulgou o relatório de Diversidade e Inclusão nos Mercados Financeiro e de Capitais, cujo objetivo é entender como o mercado de capitais percebe os temas da diversidade e da inclusão, bem como verificar o nível de maturidade dos associados Anbima e de suas políticas. 

A pesquisa online foi feita entre os meses de junho e agosto de 2021 e teve apoio da consultoria Goldenberg Diversidade. Noventa e quatro instituições associadas participaram da pesquisa, entre conglomerados, bancos de atacado, plataformas de investimentos e assets. 

Mas quais são as conclusões da Anbima sobre a diversidade e inclusão nos mercados financeiros? Acompanhe aqui: 

DIVERSIDADE E INCLUSÃO NOS MERCADOS FINANCEIROS

A diversidade e inclusão nos mercados financeiros se refere à presença de diversos grupos sociais dentro da instituição, como mulheres, negros, indígenas, pessoas com deficiência, profissionais LGBTQIA+ e de diferentes idades. 

O objetivo da inclusão é assegurar que essa representatividade esteja distribuída nos diversos escalões das organizações, oferecendo oportunidades de avanço para os colaboradores de todos os níveis. 

O CENÁRIO ATUAL

A pesquisa da Anbima verificou que embora mais da metade das instituições já tenha assumido compromissos e criado políticas institucionais sobre o tema, a maioria aplica poucas ações e não conta com metas específicas para promover a diversidade e inclusão.

Isso significa que existe compreensão sobre a necessidade de promover a diversidade e inclusão dentro do ambiente corporativo, mas que esse compromisso não está sendo revertido em resultados. Confira alguns números:

  • Apenas 16% das instituições contam com ações estruturadas, regulares, orientadas por metas e objetivos claros, principalmente os conglomerados;
  • 35% firmaram compromisso e/ou têm o apoio da liderança no que se refere à diversidade e inclusão, uma realidade mais marcante entre as asset managers;
  • 18% fazem ações pontuais, porém sem política, metas e objetivos claros de atuação, o que acontece com mais frequência nas plataformas de investimento; 
  • 26% não têm nenhum tipo de atuação, mas têm interesse em promover diversidade e inclusão em suas organizações.

A ATRAÇÃO DE CANDIDATOS PLURAIS

Apenas metade das instituições associadas aplica políticas com o objetivo de atrair candidatos plurais para as suas vagas, como: desenvolvimento de comunicação inclusiva na divulgação de vagas; parceria com instituições de ensino e organizações sociais; hunting ativo; comunicação dirigida a determinados grupos minorizados.

Por sua vez, para a contratação, as empresas priorizam a adoção de uma abordagem que garanta a não discriminação e a equidade de oportunidades em seus processos.  

DESENVOLVIMENTO DA CARREIRA

A boa notícia é que uma grande parte dos associados da Anbima já contam com ações para acelerar o processo de desenvolvimento de carreira de seus colaboradores. Para isso, as empresas oferecem principalmente:

  • Treinamento e desenvolvimento, programas rotativos e oportunidades educacionais
  • Acesso a redes profissionais (internas e/ou externas)
  • Coaching para desenvolvimento de lideranças 
  • Programas de mentoria 

Além disso, a equiparação dos salários já é uma prática aplicada na maior parte das instituições consultadas, cujas ações também visam eliminar a violência, assédio e exploração sexual no ambiente de trabalho.

Você já tinha olhado para o mercado financeiro com esse viés? Cada vez mais, as empresas precisam adotar medidas que promovam a diversidade e a inclusão em todos os setores. Agora que você já está por dentro desta pesquisa, que tal conhecer as habilidades mais valorizadas pelo mercado financeiro? Clique aqui e saiba tudo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.